Portal da Cidade Louveira

Jundiaí

Laudo aponta que jovem de Jundiaí, achada morta no banheiro tentou se defender.

Rapaz foi encontrado pela Polícia Civil enquanto assinava os documentos de óbito. Ele afirmou que encontrou a companheira morta no banheiro

Postado em 23/12/2020 às 08:37 |

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou que Juliana Ferraz do Nascimento, de 23 anos, que foi achada morta no banheiro da casa, morreu por estrangulamento e tentou se defender do crime.

Rogério Botelho, de 23 anos, foi preso enquanto assinava os documentos de óbito, no velório da vítima, em Jundiaí (SP), no dia 6 de dezembro. Segundo a Polícia Civil, ele é suspeito de assassinar Juliana ao tentar forjar uma queda acidental e a trancar o banheiro.

Segundo o relato do irmão da vítima à policia, o relacionamento de Juliana com o suspeito era de quase cinco anos e o casal estava morando junto havia cerca de um ano.

O rapaz ainda afirmou que mora em uma rua no mesmo bairro da irmã e detalhou que, por volta das 4h20 do dia do crime, o cunhado apareceu na residência dele gritando e dizendo que "a casa estava alagada e Juliana estava no banheiro".

Em seguida, os dois voltaram para a casa da vítima e o marido estourou a porta do banheiro sozinho. Na sequência, o rapaz tentou supostamente reanima-la. O irmão estranhou que havia machucado no rosto e pelo corpo de Juliana, que já apresentava rigidez e palidez.

À polícia, o parente ainda declarou que não aprovava o relacionamento do casal e que a vítima havia comentado sobre a vontade de terminar e voltar a casa da mãe.

Conforme o laudo do IML, foi constatados vários machucados antigos pelo corpo e lesões mais recentes. As marcas no antebraço, segundo o documento, caracterizaram reação de defesa.


'Não derrubou uma lágrima'

De acordo com a delegada, o marido disse à polícia que a vítima teria sido encontrada no banheiro da casa deles já morta. Ele contou que acordou por volta das 4h30 e viu que saía água por baixo da porta e pela escada.

Ao tentar abrir, percebeu que a porta estava trancada e que Juliana, também de 23 anos, não respondia. Então, o homem disse que ligou para o irmão da jovem, que foi até a casa e o ajudou a arrombar a porta.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e constatou a morte ainda no local. O corpo de Juliana foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) e, durante a autópsia, foram identificadas diversas lesões e também sinais de estrangulamento.

Como o resultado do exame não era compatível com a versão apresentada pelo homem, a polícia fez a prisão em flagrante.

"O pegamos quando ele organizava a declaração para a liberação do corpo. Parece que sabia que ia ser preso, não falou nada, não disse que era inocente e naquele momento, no fundo, sabia da prisão. Não derrubou uma lágrima. Estava frio", conta a delegada Renata Ono, que fez a prisão com os policiais civis Omar Machado Júnior, Miria Menegasso e Alan Pieve.


Versão do suspeito

À polícia, Rogério disse que, no dia anterior, estava com a companheira em uma chácara comemorando o aniversário da bisavó. Os dois teriam consumido bebidas alcoólicas e drogas no local. Em seguida, foram embora.

O homem afirmou ainda que, ao chegar em casa, se alimentou e foi dormir, enquanto Juliana tomava banho. Ele ressaltou que só percebeu que a vítima continuava no banheiro quando acordou de madrugada.

A mesma versão foi mantida depois da prisão pelo crime. Rogério foi autuado por feminicídio e fraude processual.

Fonte:

Receba as notícias de Louveira no seu WhatsApp.
Clique aqui, é gratis!

Deixe seu comentário